terça-feira, 23 de julho de 2019

O papel de governar e os atos impensados

O mais recente ato do presidente Bolsonaro remete-nos à disposição de indicar seu filho Eduardo para a Embaixada nos EUA. Diversas manifestações criticando esse desejo presidencial ainda estão reverberando por aí, e pelas críticas contrárias é que o presidente acha que está certo, mas a primeira

15 de maio: e os estudantes voltaram – um dia para oposição nenhuma botar defeito

Um milhão de pessoas nas ruas Sim, um milhão de pessoas nas ruas nas 221 cidades do país neste 15 de maio de 2019 expressando uma mudança de clima emocional que, há 6 meses, registrava rejeição absoluta e virulenta a todos que demonstravam pertencimento ao campo progressista.

Vamos avançar ou ficamos na mesma?

As primeiras articulações sobre as reformas, agora já na fase do Congresso, trazem alguma preocupação. Depois de um início de governo com direito a cirurgia, turbulências oriundas do caso Queiroz, em que, depois de tanto tempo, o assessor do então deputado Flávio Bolsonaro volta a aparecer

Antes dos novos tempos, o indulto!

Praticamente definido o novo ministério que iniciará o governo Bolsonaro. A pasta da Economia se destaca principalmente por sua diretriz completamente diversa do que nos acostumamos a observar nos últimos anos. Finalmente vamos experimentar uma direita liberal na economia e teremos, como seus integrantes,

A Ressurreição pelas urnas

O livro “A ressurreição do General Sanchez”, publicado pela Editora Paz e Terra, em 1981, reeditado em 1997 pela editora Geração, conta a história de um ditador latino-americano que, percebendo o esgotamento de sua ditadura, decide terminar seu regime e escolher

Não vai ter Fascismo

Entendo que a esquerda brasileira talvez esteja ansiosa pelo fascismo, para poder usar a tirada intelectual “tempos sombrios”. Mas não vai rolar. A eleição de Jair Bolsonaro está a um oceano de distância do nazi-fascismo – felizmente. E esse discurso da esquerda é mais um que vai virar pó