terça-feira, 23 de julho de 2019
Gastronomia

Gordura hidrogenada

Eu sempre digo que alimentação equilibrada não precisa ser restrita. Mas... a gordura hidrogenada, eu recomendo que seja restrita sim, porque é uma das gorduras que mais prejudicam a saúde, pois aumentam o colesterol e o risco de doenças cardíacas. Isso porque a gordura hidrogenada é, basicamente, um óleo vegetal comum, como o óleo de soja, que passa por um processo químico (hidrogenação) e altera sua formação original, conferindo textura sólida. A margarina, por exemplo, é a gordura hidrogenada mais consumida no dia a dia.  Mas essa gordura está presente em inúmeros produtos industrializados, como salgadinhos, biscoitos recheados, macarrão instantâneo, carnes processadas, sorvetes, chocolates. Leia sempre a lista de ingredientes, as gorduras hidrogenadas também podem ser descritas nas embalagens como gordura vegetal, gordura trans ou industrial. Quanto à tabela de informação nutricional, atente a quantidade de gordura saturada - segundo a Organização Mundial da Saúde, o limite diário desse tipo de gordura é de dois gramas. Isso se explica por ela ter a capacidade de aumentar o colesterol LDL e diminuir o colesterol HDL -  condições diretamente ligadas a doenças cardiovasculares, como infarto e AVC.  Além de aumentarem os índices de obesidade, especialmente entre crianças. O ideal é que esses alimentos sejam realmente evitados. Enfim, manter uma alimentação equilibrada e recheada com alimentos naturais  é mesmo a melhor forma de garantir a saúde. Descasque mais, desembrulhe menos!

Crie hábitos saudáveis

Como é que anda a sua relação com os hábitos saudáveis? Pessoas se queixam que as coisas não vão bem: "Me sinto cansado, estressado!", "Não consigo ter bom rendimento no trabalho.", "Já acordo cansado." Tudo reflexo do que a gente faz. Imagina uma pessoa que quer muito passar em um concurso. Mas não se dedica como deve, não estuda o número de horas por dia suficiente, não mantém o foco e a motivação. O que acontece? Não consegue ser aprovado. Os hábitos não tornaram possível que a aprovação no concurso acontecesse. Precisava que ela tivesse ação direcionada e persistente para alcançar este objetivo. Por isso, reforço sempre que hábitos saudáveis são condutas que você precisa criar e que vão, realmente, te ajudar a alcançar os seus objetivos. O autoconhecimento e o reconhecimento de onde estão as falhas do seu comportamento é fundamental para você dar o primeiro passo em direção à mudança. Não deixe para depois. Assuma a responsabilidade disto.  Sem hábitos saudáveis, o corpo adoece, a mente adoece, o cansaço não permite uma boa produtividade. Planeje sua mudança, começando por ações simples e fáceis de cumprir, para que estas se tornem novos hábitos. Crie HÁBITOS SAUDÁVEIS! Você saberá a delícia que é voar para essa transformação. 

Alimentos para melhorar o sono

Uma boa noite de sono é, sem dúvida, a melhor maneira de termos um dia mais produtivo. Mas dormir bem depende, principalmente, da adequada produção de melatonina e serotonina, hormônios produzidos a partir de um aminoácido chamado triptofano. E, onde encontramos esse tal triptofano? Bom, boas fontes são as leguminosas (feijões, lentilha, grão de bico), nozes, castanhas, arroz integral, linhaça, ovo, chocolate amargo. Porém, não é só consumir boas fontes de triptofano e ter a insônia resolvida. É fundamental ter uma dieta equilibrada. Estudos apontam, por exemplo, que uma ingestão excessiva de proteínas pode diminuir a captação de triptofano pelo cérebro. E que uma boa ingestão de carboidratos de boa qualidade (integrais) aumenta a concentração cerebral de triptofano. Outro ponto a ser destacado é que deve-se evitar o consumo de alimentos gordurosos, especialmente à noite, pois causam desconfortos pela dificuldade de serem digeridos, prejudicando o sono. O consumo de alimentos estimulantes à noite são, igualmente, prejudiciais para uma boa noite de sono. Produtos contendo cafeína e guaraná estimulam o sistema nervoso (ficamos mais alertas e agitados) dificultando termos uma boa noite de sono. Consulte um nutricionista para saber quais os melhores alimentos para incluir na sua alimentação, respeitando as suas preferências e te ajudando a dormir bem e ser mais produtivo.

Arroz com feijão no prato

As pessoas continuam acreditando que fazer uma alimentação saudável é o mesmo que "cortar" grupos alimentares do cardápio. Uma grande inversão de valores, porque deixam de comprar alimentos in natura ou minimamente processados e investem boa parte do orçamento em shakes, chás, pílulas e fórmulas mágicas, esquecendo do essencial que é comer. Um cardápio bem brasileiro é a nossa base para uma alimentação saudável. Com arroz e feijão no prato, prepare uns vegetais, uma carne e uma fruta para sobremesa. Pronto! Refeição equilibrada com todos os grupos alimentares. Sem complicação, sem restrição e com bem menor gasto financeiro. Ouço pessoas dizendo que comer saudável é caro. Mas com o valor de um quilo de carne (que se pode fazer até 6 porções), preferem gastar até 4 ou 5 vezes mais em potes de shakes. O pior é que não conseguem alcançar seus objetivos de emagrecimento ou se alimentar melhor. Simplesmente porque o que emagrece e nos deixa saudáveis é comer comida de verdade. Para que cortar grupos alimentares inteiros e se privar do principal, que é o prazer da saborear a comida brasileira?

Como é ser nutricionista na maternidade

Sou Nutricionista há 22 anos. Pós-graduada em Materno-Infantil há 17 anos. Nesses anos, tive muitos desafios profissionais. Mas agora quero falar sobre os meus maiores desafios: ser mãe da Luísa e do Luca, hoje com 14 anos e 9 anos. E, ao mesmo tempo, mãe-nutricionista. Luísa veio para me provar que toda minha bagagem técnico-científica em muitas vezes (melhor dizer, na maior parte das vezes) não se aplica à diária tarefa de moldar os bons hábitos alimentares. Até 1 ano e meio, amamentação e introdução de novos alimentos, focando a alimentação saudável, foi muito fácil. Mas não foi assim depois! Vieram inúmeros desafios! No início, eu acreditava que seria perfeitamente tranquilo aplicar a teoria na prática. Mas o que eu ignorava era o fato de que comer é uma soma de preferências, sensações, emoções, sabores, sentimentos. São descobertas de texturas e significados. É a convivência com outras crianças, com outros hábitos, na escola e em outros ambientes.  E, com toda bagagem, este desafio me transformou em formuladora de estratégias na tentativa de fazê-la comer de forma saudável. Quando o Luca chegou, cerca de 5 anos depois, já menos ignorante na prática, segui bem melhor na saga da construção dos hábitos alimentares que considero saudáveis. Minha mãe teve problemas para me ajudar a aceitar uma variedade de alimentos. E sempre com paciência e firmeza, aos 7 anos eu já comia sem qualquer restrição a vegetais, frutas e outros alimentos. Minha mãe, sem formação em Nutrição (ela se formou em Professora), era sábia para entender que a educação se faz diariamente e celebrando cada pequena conquista. Quero aqui provocar algumas reflexões: o que nós, mães e pais, podemos fazer para formar futuros adultos mais conscientes de suas escolhas alimentares? Qual o nosso papel diante a prevenção das doenças crônicas associadas à obesidade?

O novo transtorno alimentar: o medo de consumir carboidrato!

É tanta informação desinformada, que é rotineiro ouvir pessoas falando: "Pão na dieta? Mas pão não engorda?" "Ah, se eu comer esse arroz no jantar eu não vou emagrecer!" "Macarrão tem muito carboidrato, já cortei do cardápio". E, muitas outras condenações aos coitadinhos dos alimentos fontes da carboidratos. Eu sinto até dor no coração! Vou, então, citar aqui as razões para minha tristeza! 1º- Carboidrato é um macronutriente, assim como a proteína e a gordura. E deve fazer parte do cardápio, simplesmente pelo fato de que é a nossa principal fonte de energia. 2º - Eles regulam o funcionamento do corpo, economizando as proteínas, impedindo que estas sejam utilizadas na produção da energia que precisamos. Ou seja, contribuem para o aumento da massa muscular. 3º - Se ingerimos baixa quantidade de carboidrato, de forma a usar a gordura para suprir a necessidade de glicose (energia), aumentamos a oxidação, gerando quantidade excessiva de substâncias (cetonas) que, em excesso, são tóxicas para o corpo. 4º - O cérebro funciona com glicose, mas não consegue armazená-la. Portanto, há necessidade de suprir este abastecimento através a corrente sanguínea. 5º - A celulose e as fibras estão presentes nas fontes de carboidratos e auxiliam no melhor funcionamento do intestino. Entre outras funções fundamentais para um corpo saudável! E, aí? Você ainda acredita que tem que retirar o pobrezinho do carboidrato da dieta?