sábado, 7 de dezembro de 2019

Um show para ver de olhos fechados

Paulinho da Viola e Marisa Monte cantando juntos no mesmo palco não é um show, é uma experiência sensorial particular. Ali o público não se mexe na cadeira, mas se transporta para vários outros lugares. Não tem “tira o pé do chão” nem dança frenética. Tudo é minimalista, no palco e fora dele. Os gestos são lentos, tímidos. A respiração é pausada. O tempo passa em outra rotação

Marlene Sativa, a rainha do barzinho

Marlene Sativa era a rainha do barzinho. Cantava na noite há anos, com relativo sucesso. Nunca havia gravado um disco, não aparecia nos programas de TV nem tocava nas rádios. Mas a noite do Rio de Janeiro inteiro a conhecia. Ganhava dinheiro soltando a voz em mais de uma casa por noite. E era tratada como estrela pelos donos dos estabelecimentos. Sativa era sinônimo de bom faturamento, de clientela

Carta de um sertanejo para o Rio de Janeiro

Caro Rio de Janeiro, sei que não é nada fácil. Afinal de contas, você foi capital federal por quase 200 anos, está acostumado a ser o “farol cultural” do Brasil, sempre lançou modas e consolidou tendências. Além disso, é berço dos dois gêneros musicais que são exportados pra todo o mundo como nossa identidade cultural: o samba e a bossa nova. Portanto, entendo seu olhar torto ao ver

No Renascença, toda segunda-feira é feriado

Nada mais sintomático do que o Primeiro de Maio deste 2017 cair numa segunda-feira. Afinal, é nesse dia da semana que os “trabalhadores” do Rio de Janeiro se reúnem há mais de dez anos, numa das melhores rodas de samba da cidade. O Samba do Trabalhador, comandado por Moacyr Luz e companhia, foi lançado em 2005 e, desde então, não deixa órfãos os sambistas que querem começar a semana

Cartola e Beth Carvalho se encontram na Praça Tiradentes

Dois dos maiores nomes da nossa música estão se encontrando todos os fins de semana na Praça Tiradentes: Cartola e Beth Carvalho. Infelizmente, esse encontro não é um daqueles pra valer, como quando a jovem Beth subiu a Mangueira para ir ao “barraco” do compositor pedir músicas e ele mostrou “As rosas não falam”, “O mundo é um moinho”, “Corra e olhe o céu”, todas inéditas

O estandarte da emoção

No último sábado, aconteceu a festa de entrega do Estandarte de Ouro 2017, na Cidade das Artes. Uma cerimônia que já é tradição no pós-carnaval e que deveria ser acompanhada ao menos uma vez na vida pelos amantes da folia. Porque ali vemos com nitidez o amor dos sambistas por suas escolas. É só ali que o passista, escondido na Sapucaí, tem sua noite de glória. É naquele palco que as baianas