quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Adaptações e inspirações

Adaptar uma obra não é simples. É preciso captar a essência daquilo que se quer transpor para a linguagem escolhida. Essa essência deve ser materializada num roteiro bem amarrado, buscando eventuais liberdades autorais dentro daquilo que se pretende. Afinal, nem sempre uma boa adaptação é a

Eu sou assim

Para mim, qualquer expressão de arte implica também em responsabilidade. Entreter é uma de suas funções, claro, mas acredito que fazer arte é, acima de tudo, um ato político. Um fazer cidadão. Por meio dela, são despertadas questões e discussões na abordagem de toda sorte de temas que pudermos

Sobre patinhos feios, canais de TV e bares

Agosto é uma animação só: tem séries novas e novas temporadas estreando por todos os cantos. Mas não vou falar de nenhuma delas aqui. A coluna dessa semana está um pouco magra. Estou aguardando algumas séries, como a primeira temporada de Os Defensores, na Netflix, estrear. Então, não será

Nenhum lugar também é um lugar

O cineasta David Lynch é praticante de meditação transcendental há mais de 40 anos e tem mergulhado de vez neste universo na última década. Não à toa, acompanhar suas obras é um verdadeiro exercício de transcendência, vide seus clássicos “Veludo Azul” (1986), “Coração Selvagem”

O jogo excêntrico de Twin Peaks

“Quem matou Laura Palmer?” Esse foi o mistério que alavancou a série de TV Twin Peaks entre 1990 e 1991, com uma mistura inusitada de elementos de thriller, non sense e drama, alinhavando uma narrativa que conquistou a atenção do grande público. A série marcou época ao alternar sem cerimônia

Precisamos falar sobre…

Precisamos falar sobre... uma série. Sim, mais uma, mas não “mais uma”. Essa estreou recentemente causando muito burburinho nas mídias sociais. A ela está sendo atribuída a possibilidade de causar reações adversas como o estímulo ao suicídio e que, por essa razão, deve ser evitada. Outras