quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A turbulência política e a blindagem econômica

Já estamos tão acostumados, que as novas denúncias de corrupção já não provocam impacto, passaram a fazer parte do cotidiano. Mas a turbulência persiste e o ambiente político permanece em polvorosa. O governo enfraquecido por nova denúncia da PGR prepara-se para contornar mais uma pressão

O desequilíbrio fiscal permanece

A presidente Dilma afirmava que “gasto é vida”, e como gastava! Já o presidente Temer sempre afirmou que não se preocupava com a sua rejeição, hoje em torno de 94%, mas faria o que fosse necessário para resolver o rombo fiscal deixado por sua antecessora, bem como para colocar o país no rumo

Mais do mesmo

Quis o destino que Temer repetisse Dilma e, de certa forma, o Collor também! Se por um lado agarra-se ao cargo desesperadamente como sua antecessora, por outro ataca contundentemente outros poderes da república, como se vítima fosse, no melhor estilo do Caçador de Marajás! Parece estar caminhando

Inexiste perspectivas no país das incertezas

Andei pensando em que escrever sobre economia quando esta fica contaminada pela crise política? Por isso mesmo, na última edição do QUINZE, abordei muitos temas políticos. Agora, há uma nova crise praticamente a cada semana. Fica difícil falar de economia e de política! As incertezas predominam

Para onde vai o país?

O assunto do momento ainda é a delação da JBS e suas diversas vertentes. O Procurador Geral da República rebate as críticas de que foi benevolente com os irmãos Batista com o argumento de que as delações eram muito importantes, incluindo propinas a dois ex-presidentes e, segundo ele, não seria

A economia no governo Temer

As reformas caminham, com alguns tropeços, mas seguem o seu curso. Há uma expectativa quanto à sua concretização. O mercado financeiro observa. Um simples adiamento na data de votação da proposta de reforma previdenciária fez a bolsa cair. Permanece em observação também o investidor externo