Edição 29

15/05/2018

ver edições anteriores

terça-feira, 22 de maio de 2018

Maio, o mês dos devires abolicionista e libertário da nação brasileira

Abrem-se as cortinas do outono neste maio turbulento. Com elas, ventos amenos adentram aquela luminosidade de garantida visão em profundidade, o inverso da névoa seca que acontece no verão...  E o sol, translucido, amplifica a percepção dos horizontes, embora nem toda ação da natureza seja capaz

Improvisações seculares

Joaquim Nabuco disse que a Abolição seria incompleta se os escravos não recebessem terra para trabalhar e se os filhos não tivessem escola para estudar. Não deram atenção. Cem anos depois, Darcy Ribeiro disse que se o Brasil não construísse escolas teria de construir cadeias no futuro. Junto

Kit sobrevivência

O esgotamento do atual modelo político, social e econômico e o processo de desagregação que contamina o país exigem mais do que um plano de desenvolvimento: demandam um mapa para a sobrevivência nacional. Fundamental para isso é a recuperação da credibilidade de políticos e juízes, sobretudo

Afogamento e fuga

Em 1995, nasceram 3,1 milhões de crianças no Brasil. Hoje, 30 mil delas continuam analfabetas. Cerca de 2,6 milhões concluíram o ensino fundamental e pouco mais de 2 milhões terminaram o ensino médio. E dessas pouco mais de 600 mil enfrentarão os desafios da sociedade do conhecimento. Pouco mais

Outra forma de escravidão

Em 2012, o jogador de futebol Raí falou em entrevista que, durante o tempo em que defendeu o Paris Saint Germain, na França, a filha dele frequentava a mesma escola de altíssima qualidade que a filha da empregada da família. Naquela ocasião, Raí perguntou por que essa não era a realidade aqui

Perdão

Perdão pelas balas perdidas, pelos adultos perversos, pelos colegas desorientados. Perdão pelos anos que não conseguimos lhes dar. Perdão também aos sobreviventes, pela falta de atendimento médico, de escola de qualidade, de esperança no futuro e carinho no presente. Perdão! Raphaella Noviski,